Automatic translation into Portuguese of A Grammar of Modern Indo-European at Indo-European Language Association

1.Línguas Indo-européias | 2.Palavras indo-européias | 3.Substantivo indo-europeu | 4.Verbo Indo-europeu | 5.Sintaxe Indo-européia | 6.Etymologia Indo-européia

4. Substantivos

4.1. Declinação de substantivos

4.1.1. Declinação é feito acrescentando terminações a fins de talo diferentes, vogal ou consoante. As várias mudanças fonéticas no idioma deram origem às declinações diferentes. A maioria dos caso-fins, como mostrado nesta gramática indo-européia Moderna, também contenha a carta final do talo.

Geralmente são recusados adjetivos como substantivos e etimologicamente serão classificados com eles, mas eles têm um pouco de peculiaridades de inflexão que será explicada depois.

4.1.2. Substantivos e adjetivos são declinados em quatro Declinações regulares, distinguiu pelos fonemas finais deles/delas. característica do Talo., e pela oposição de formas diferentes em substantivos irregulares. Eles são numerados tradição de Graeco-latino seguinte: Primeiro ou um-declinação, Segundo ou o-declinação, Terço ou i/u-declinação, quarto ou ConsonantDeclension e os substantivos variáveis.

NOTA. O o-declinação de Secondor também é a Declinação Temática, contrário ao resto. e provavelmente mais velho na evolução de TORTA inflexão nominal., que formam a Declinação Atemática junto.

Decl.

Fim de talo

Nom.

Genitivo

1.

., ia /. /i. (.)

-Ø

-s

2.

e/o (Temático)

-s

-os, - os (i) o (-.)

3.

i, u e Ditongo

m., f.-s, n.-Ø

-e / ois, - e / ous, - (t) ios, - (t) uos

4.

Sonants & consoantes

-S, - Ø

-(e/o) s

(5)

Heteroclites

-Ø, - R

-(e) n

O Talo de um substantivo pode ser achado, se um talo consoante, omitindo o caso-fim; se um talo vocálico, substituindo pelo caso-terminar a vogal característica.

NOTA. A maioria do Indo-Europeanists tende a distinguir dois tipos principais de declinação pelo menos, Temático e Atemático. São formados talos nominais temáticos com um sufixo - o - (em vocativo - e), e o talo não sofre apofonia. Os talos Atemáticos são mais arcaicos e eles mais adiante são classificados pelo comportamento de apofonia deles/delas: acro-dinâmico, protero-dinâmico, hystero-dynamicand holo-dinâmico, depois do posicionamento do acento de TORTA cedo (dynamis) no paradigma.

4.1.3. O seguinte é Regras Gerais de Declinação:

um. O Nominativo singular para anima fins dentro - s quando os fins de talo são i, u., Ditongo, Oclusivo e Temático (- os), ou - Ø em., um, Sonant e s; enquanto no plural - es é geral, - s para esses em., e - os para o Temático.

b. O Acusativo singular de todos o masculines e fins de feminino em - m; o plural Acusativo em - ms.

c. O Vocativo singular para anima sempre é - Ø e no plural é idêntico ao Nominativo.

d. O Genitivo singular é comum a anima e inanimates, é formado com - s: - s, - es, - os. Uma muito velha possibilidade alternativa está estendida - os - (i) o. O plural de Genitivo é formado em -.m (também -.m), e em -.m em um-talos.

e. O Obliques fim singular normalmente em - i: pode ser - i, - ei, -.i, - oi, -.ior -.i. No plural, há duas séries de declinações, com - bh - (geral) e - m - (só Gmc. e Sla.), geralmente - bhi, - bhis, - bhios, - bhos, e (Gmc., Bal.-Sla.) -mal, - mos, e também algumas formas em - si (marca plural - s - mais marca oblíqua - i), achado principalmente em dialetos Graeco-arianos.

f.  Inanimates têm uma forma de syncretic para Nom.-CA.-Voc. em - Ø em Atemático, ou - m em Temático. As formas plurais terminam dentro - um ou -..

g. Tudo Anima tenha a mesma forma no plural para Nom.-Voc., em - es.

4.1.4. Os casos Oblíquos denominados. contrário ao Direto, Nom.-Acc.-Voc., é Genitivo e o Obliques, i.e. Dativo, locativo, instrumental e ablativo. Porém, o Ablativo parece nunca ter sido independente, mas para talos temáticos em algumas áreas dialetais. Os outros três casos eram normalmente só um caso local em contextos diferentes (o que nós chamamos o Oblíquo), embora Recente TORTA mostra um sistema de declinação Oblíquo irregular claramente.

NOTE 1. Há alguns rastros. nos proto-idiomas indo-europeus que mostram dividiu casos Oblíquos. isso poderia indicar um possível primeiro divisão. de um hipotético cinco-caso-IE II. entre um Dat. e um Loc.-Ins., e então outro, mais recente entre Loc. e Ins (veja Adrados). Idiomas como Sânscrito ou Avestan mostram 8 casos, enquanto alguns dialetos Itálicos se aparecem 8 (cf. Osc. Loc. aasai 'em .r.', ou Ins. amnud de cadeis, 'causae de inimicitiae', preiuatud'pr.u.t.', etc.), enquanto latino mostra seis e uma noção de Locativo de semisystematic; Dialetos eslavos e Báltico mostram sete, Mycenaean espetáculos gregos pelo menos seis casos, enquanto Koiné grego mostra cinco, da mesma maneira que dialetos germânicos.

NOTE 2. Nós sabemos que os processos dividindo e fundem que afetaram o Obliques não aconteceram uniformemente entre os talos diferentes, e não aconteceu ao mesmo tempo em plural e singular. Então, nem havia um homogene e sistema de declinação definido em IE III, nem nos dialetos e idiomas que seguiram. De idioma para idioma, de talo originar de, diferencia em cima do número de casos e sua formação desenvolvido. Primeiramente sincretismo obscureceu os casos e depois disso o sistema inteiro se desmoronou: depois do tempo quando casos sem dinheiro para cima em outros, como em idiomas eslavos mais modernos, veio outro tempo quando todos os casos fundiram ou estavam completamente perdido: tão hoje em idiomas de Romance, em igual inglês germânico, ou em igual búlgaro eslavo. Porém, indo-europeu Moderno precisa sistematizar esta diversidade até certo ponto, baseado no sistema velho estando por baixo de óbvio que normalmente resulta em 6-caso paradigmas (normalmente com Dat.-Abl. e Loc.-Ins.) em a maioria das formas declinadas.

 

Desinências nominais (resumo)

Singular

Plural

NOM.

-S, - Ø, (N. Eles - m)

m., f. -es, n. -.

ACC.

-m/-m.

m., f. -ms/-m.s; n. -.

VOC.

-Ø

m., f. -es, n. -.

GEN.

-(e/o) s; - (e/o) s (i) o

-.m (disque -.m)

OBL.

-i - (Obl geral. marca)

-bh-i - (dialetal - m-i -); - s-i /u

DAT.

-ei

-os de bh (i), (dial. -mos)

LOC.

-i

-su / i

INS.

-e, - bhi

-bhis, (dial. -mal); -.is (Eles.)

ABL.

-(e/o) s; -.d /-.d/-.d

-os de bh (i), (dial. -mos)

 

4.2. Primeiro declinação

4.2.1. Primeiro declinação

1. Eles são substantivos normalmente Animados e terminam dentro., e ia /. /i., e também raramente em.,..  Esses em. é muito comum, geralmente feminino em substantivos e sempre em adjetivos. Esses em ia/./i.are sempre feminino e também é usado para fazer feminino no Movimento adjetival. Esses em. e. só é feminino em menos palavras usadas. Esses em um é etimologicamente idêntico ao plural Neutro em Nom.-Acc.-Voc.

Paradigma de um-declinação

 

Anime

Inanimado

NOM.

-Ø

 

-Ø

 

ACC.

-m

VOC.

-Ø

GEN.

-s

DAT.

-i [< * ei]

LOC.

-i

INS.

-Ø, - bhi (- mi)

ABL.

-.d (- s)

MIE First Declinação corresponde livremente Primeiro ao latino Declinação (cf. Lat. rosa, rosae ou puella, puellae), e para a Declinação de Alfa grega Antiga (cf. Gk. ...., ....., ou ...., .....).

NOTA. O talo inteiro poderia ter sido reduzido a IE um, porque esta é a origem do sistema de talo inteiro antes de IE III, com um fim original * - (e) h2.

3. É então idêntico a esses substantivos em r, n, s da Quarta Declinação, mas para alguns detalhes em vocalism: o Gen. tem um - s e não - es / -os; a diferença entre Nom. e Voc. é isso de -. e - um. O zero-grau do Nom.-Acc.-Voc. em ia/.stems é diferente do Gen. em - i.

4.2.2. Primeiro declinação em exemplos

1. Nominativo singular em - Ø; como, ékw.73, égua, sén.79, velho.

Exemplo de ia /. talos são pótni. /pótn.44, senhora, w.qi. /w.q., ela-lobo, djéwi. /djéw., deusa (talvez também Lat. gall.in o gall.na estendido posterior, r.g. em reg.na, etc.), como também Pres.Parte. feminino, como príjonti. /príjont. "que ama", amigo, wésnti. /wésnt. "que dirige", motorista, etc.

Esses em., não são achados muito freqüentemente que, pode apresentar bem um - sas; como em bhídh.s latino (Lat. fides, mas também O.Lat. fidis), confiança, spéki.s, espécies, etc.

Substantivos em .can também raramente formas presentes em um; como em Gk. Lesb. Dika.

2. Acusativo Singular em - m; como, ékw.m, pótni.m/pótn.m, bhídh.m.

3. Vocativo singular em - Ø. Normalmente é idêntico ao Nominativo, mas disambigüidade poderia acontecer com graus de vogal distintos, i.e. Nom. em -., Voc. em - um.

4. Genitivo Singular em - s; como, ékw.s, sén.s.

O tema em ia /. /i. produz um Genitivo Singular em -.s; como, pótni.s.

5. Dativo-ablativo Singular em -.i, provavelmente de um Dat original. -eiending.

Também há uma forma - ei para temas em. e em i.

6. Locativo em -.i, Instrumental em -., -.-bhi, -.-mi.

 

f. ekw.

f. potnia / potn.

f. speki.-

adj. f. cowij.

NOM.

ékw.

pótni. /pótn.

spéki.s

cowij.

ACC.

ékw.m

pótni.m/pótn.m

spéki.m

cowij.m

VOC.

ékw.

pótni. /pótn.

spéki.

cowij.

GEN.

ékw.s

pótni.s

spéki.s

cowij.s

DAT.

ékw.i

pótni.i

spékiei

cowij.i

LOC.

ékw.i

pótni.i

spékiei

cowij.i

INS.

ékw.

pótni.

spéki.

cowij.

ABL.

ékw.d

pótni.s

spéki.d

cowij.d

 

4.2.3. O plural na primeira declinação

1. A mesa seguinte apresenta o paradigma plural do um-declinação.

NOM.

-s [< * - es]

ACC.

-ms

VOC.

-s

GEN.

-m

DAT.-ABL.

-os de bh (- mos) (i)

LOC.

-su / i

INS.

-bhis (- mal)

2. O Plural de Nominativo-vocativo em - s: ékw.s, néw.s, cowij.s.

Esta forma poderia ser confundida obviamente com o Genitivo Singular. Em contextos equívocos nós mudamos o acento (ekw.s, ekw.ms, ekw.m) preferivelmente.

3. O Plural Acusativo em - ms: ékw.ms, néw.ms.

4. O Plural de Genitivo em - m: ékw.m, new.m.

5. O Dativo e Plural de Ablativo em - bhos, - bhios (dial. -mos); como, os de ékw.bh (i), ékw.mos.

6. O Plural de Locativo em - su (também - si, - se); como, ékw.si, ékw.su.

6. O Plural Instrumental em - bhis (dial. -mal); como, ékw.bhis, ékw.mis.

O Obliques também têm especial forma Gk. -.isi, - ais, Lat. -ais; como, Lat. rosis < * rosais.

 

 

f. ékw.

f. potnia / potn.

NOM.

ékw.s

pótnias/pótn.s

ACC.

ékw.ms

pótniams/pótn.ms

VOC.

ékw.s

pótnias/pótn.s

GEN.

ekw.m

potni.m

DAT.

ékw.bhios

pótniabhios

LOC.

ékw.si

pótniasu

INS.

ékw.bhis

pótniabhis

ABL.

ékw.bhios

pótniabhios

 


 

4.3. Segunda declinação

4.3.1. Segunda declinação

1.  O Talo de substantivos dos Segundos fins de Declinação em e/o e eles normalmente são chamados Temático. Eles podem ser anima e inanimates, como também adjetivos. O inanimates têm um fim - m só em Nom.-Acc.-Voc. O anima, com um Nominativo em - s, é geralmente masculino em substantivos e adjetivos, mas também há substantivos femininos e adjetivos animados dentro - os, provavelmente restos do indistinção velho de declinação.

2. MIE Segunda Declinação é equivalente à Segunda Declinação em latim (cf. Lat. dominus, domin., ou uinum, uin.), e para a Declinação de Ômicron em grego (cf. Gk. ....., ....., ou ....., .....).

Paradigma de o-declinação

 

Anime

Inanimado

NOM.

-os

                                                 -om

ACC.

-om

VOC.

-e

GEN.

-os, - os (i) o (-.)

DAT.

-.i [< * oei]

LOC.

-ei / -oi

INS.

-. /-.

ABL.

-.d /-.d

NOTA. Este modelo realmente poderia ter sido escrito sem a vogal inicial - o -, dado que a origem provável desta vogal é a vogal de fim de alguns talos temáticos, enquanto foram reinterpretados outros, primitivos talos atemáticos depois disso e esta vogal foi somada para originar de por via de analogia. Assim, para talos temáticos, como wlqo -, este paradigma poderia ser lido Nom. -s, Acc. -m, Voc. -e, Gen. -s, - sio, - assim, -., e assim por diante.

3. O Nominativo e o Genitivo em - podem ser confundidos os. Isto só pode ser resolvido com alongamentos, como em Gen. -os-io ou os-o.

4.3.2. Segunda declinação em exemplos

1. Nominativo Singular Anime dentro - os; como em w.qos, lobo, dóm.nos, senhor, adj. c.wós, vivo.

2. Acusativo Singular Anime dentro - om; como em w.qom, dóm.nom, c.wóm.

3. Vocativo Singular Anime dentro - e; como em w.qe, dóm.ne, c.wé.

5. O Nom.-Acc.-Voc. Sg. Inanimado em - om; como em jugóm5, piada, adj. néwom, novo, mrwóm, morto.

4. Genitivo Singular em - os, - osio, - e / oso (também -.); como em w.qosio, mrwós, dóm.n.

NOTA. A forma original - os é raro, como o Genitivo teve que ser distinguido do Nominativo. Este disambigüidade acontece, como já disse, alongando o fim alternativamente ou mudando isto completamente. O o-declinação é provavelmente recente em IE III. embora já acontecesse em Anatolian. e isso é por que é homogêneo em a maioria dos dialetos de IE, sem variações em vocalism ou acento.

6. Dativo Singular em -.i, -.: w.q.i, dóm.n.i, néw.i, mrw.

7. Locativo Singular em - oi, - ei: w.qoi, dóm.noi, néwoi, mrwói.

8. Instrumental singular em -.: w.q., c.w., néw., mrw.

9. O Ablativo Singular é formado em -.d, e às vezes em -.d: w.q.d, c.w.d, néw.d.

 

m. wlqo

n. jugo

NOM.

w.qos

jugóm

ACC.

w.qom

jugóm

VOC.

w.qe

jugóm

GEN.

w.qosio

jugós

DAT.

w.q.i

jug.i

LOC.

w.qoi

jugói

INS.

w.q.

jarro.

ABL.

w.q.d

jug.d

 

4.5.3. O plural na segunda declinação

1. O sistema Plural Temático normalmente é descrito como segue:

 

Anime

Inanimado

NOM.

-.s [< * - oes] (- oi)

 

-.

ACC.

-oms

VOC.

-.s (- oi)

GEN.

-.m (-.m)

DAT.-ABL.

-os de obh (- omos) (i)

LOC.

-oisu / i

INS.

-.is

NOTA. O fim -.s é normalmente considerado como derivado do fim plural - es, i.e. *-o - (s) - es > -.s.

2. O Nominativo-vocativo Plural Animado em -.s; como, w.q.s, dóm.n.s, w.r.s.

3. O Plural Animado Acusativo em - oms; como, w.qoms, dóm.noms, mrtóms.

4. O Nom.-Voc.-Acc. Plural inanimado em -., - um; Como, jarro. / jugá, néwa, mrwá.

5. O Plural de Genitivo em -.m / -om (e -.m); como, w.q.m, dóm.n.m, ceiw.m, jug.m.

6. O Plural de Instrumental-locativo em - ois / -oisi; -.is /-.isi, e também, como nas outras declinações, Obliques em - bhis, - bhos, - bhios (- mal, - mos); como, w.q.isi, w.r.is, néwoisu, mrw.is.

 

m. wlqo-

n. jugo-

NOM.

w.q.s

jugá

ACC.

w.q.ms

jugá

VOC.

w.q.s

jugá

GEN.

w.q.m

jug.m

DAT.

w.qobhios

jugóbhios

LOC.

w.q.isi

jugóisu

INS.

w.q.is

jugóis

ABL.

w.qobhios

jugóbhios

 

 

4.4. Terceira declinação

4.4.1. Terceiro paradigma de declinação

1. Terceiros substantivos de Declinação terminam em i, u (também.) e Ditongo. O fim Nominativo é - s.

2. Esta declinação normalmente corresponde a substantivos latinos da Terceira Declinação dentro - i (cf. Lat. ciuis, ciuis ou paridades, partis), e da Quarta Declinação em - u (cf. Lat. milho., corn.s ou portus, port.s).

Paradigma de i/u-declinação

 

Anime

Inanimado

NOM.

-s

 

-Ø

ACC.

-m

VOC.

-Ø

GEN.

-s

DAT.

-ei

LOC.

-Ø, - I

INS.

-. /-. (- bhi)

ABL.

-s

NOTA. Reduplicação ou combinação com os fins revezados - i, - ei / -oi e - u, - eu / -ou, era um recurso comum nos dialetos atestados que Dat distinto. e Loc. nesta declinação, como em - i-ei, - ei-ei, - eu-ei, e assim por diante, distinguir formas semelhantes. Uma distinção comum de Loc. -i, Dat. -ei, foi conhecido Ultimamente à maioria dos dialetos TORTA, enquanto um general Instrumental em alongou -., -. (de Ins. terminando * - e-h1) era geralmente usado; o Ablativo, quando se aparecer, mostra a mesma declinação como o Genitivo.

3. O anima em i e u é masculino ou feminino (indiferente à distinção em adjetivos); esses em. e., sempre feminino.

4. O - esquadrinhe indique Nominativo e Genitivo: a distinção é feito pelo cheio-grau da vogal antes da declinação, i.e. Gen. -ei-sfor i, - ou-s para u. mas para esses em - ti, - tu (digite II), v.i.

NOTA. O Vocativo do anima está igual ao Nom.-Acc.-Voc. do inanimates. Em substantivos diferenciação não é necessária, porque eles têm vogais de talo diferentes; em adjetivos, porém, um Vocativo singular anime - i pode ser um homófono com Nom.-Acc.-Voc. singular neutro - i; como por exemplo. m.Voc. albhí, n.Acc. albhí. Isto é, entretanto, um caso raro no qual o contexto é geralmente bastante para disambigüidade.

4.4.2. Em i, u

1. Nominativo Singular Anime dentro - s; como em ówis[149], ovelha, nóqtis124, noite, ghóstis26, convidado, s..nus130, o filho (cf. também Gk. sújus), médhus, hidromel, egnís, fogo, mánus, mão, adj. sw.dús, doce, etc.

2. Acusativo Singular Anime dentro - m; como em ówim, nóqtim, ghóstim, s..num, mánum, etc.

3. Vocativo Singular Anime dentro - ei ou - i, - euor - u; como em ówei-ówi, s..neu /s. .nou-s.. nu, às vezes a mesma forma Nominativa, como sistematicamente em latim (cf. Lat. hostis).

4. O Nom.-Acc.-Voc. Singular Inanimado em - i, - u; como em móri, pék.[150], médhu, sw.dú123.

5. Genitivo Singular em - eis (- ois) ou - (t) ios, - eus (- ous), - (t) uos; como em egnéis[151], s..nous, owéis (também dial. ówios), mánous, pékwos, adj. sw.déus.

6. Dativo Singular em - (ej) ei, - (ew) ei, - ou, também com vogal longa, -.i, -.u, egnéi, nóqtei, owéi, etc.

7. Locativo Singular em - (.) i, - (.) u, Instrumental em -., -. ou dial. -bhi; como s..n (.) u, owí, ow., etc.

 

Digite eu

Digite II

Neutro

 

m. s.nu-

f. owi-

f. noq-ti-

m. sen.-tu-

n. peku-

n. mori-

NOM.

s..nus

ówis

nóqtis

sen.tus

péku

móri

ACC.

s..num

ówim

nóqtim

sen.tum

péku

móri

VOC.

s..nu

ówi

nóqti

sen.tu

péku

móri

GEN.

s..nous

owéis

nóqtios

sen.tuos

pékeus

mórois

DAT.

s..nou

owéi

nóqtei

sen.tou

pékou

moréi

LOC.

s.nú

owí

noqtí

sen.tu

pekú

morí

INS.

s..n.

ow.

nóqt.

sen.t.

pék.

mór.

ABL.

s..nous

owéis

nóqtios

sen.tuos

pékeus

mórois

 

O tipo forte

1. Sua inflexão é semelhante a isso de i, u, mas eles não têm nenhuma vogal revezada antes da declinação, e o. e. é substituído antes vocálico por - ij, - uw. Eles sempre são femininos e eles não podem ser inanimates nem adjetivos. Eles são principalmente raízes de TORTA e acharam principalmente dentro Indo-iraniano.

 

f. bhr.-[152]

f. dngh.-3

f. swekr.-132

f. dh.-

NOM.

bhr.s

d.gh.s

swekr..s

dh.s

ACC.

bhr.m

d.gh.m

swekr..m

dhíjm

VOC.

bhr.

d.gh.

swekr.

dh.

GEN.

bhruwés

dnghuwós

swekruwés

dhijós

DAT.

bhruwéi

dnghuwóu

swekruwéi

dhijéi

LOC.

bhruwí

dnghuwí

swekruwí

dhijí

INS.

bhr. (bhi)

dngh. (bhi)

swekr. (bhi)

dhij. (bhi)

ABL.

bhruwés

dnghuwós

swekruwés

dhijós

 

4.4.3. Em ditongo

1. Há ditongos longos .u, .u, .u, .i que às vezes apresenta vogais curtas como também outros fins sem ditongo, i.e., .,..

NOTA. Os últimos provavelmente são restos de ditongos mais velhos, de IE II. Então, embora do ponto de vista Ultimamente proto-Indo-europeu há só talos com variantes .u, .u., etc, estes enlatam tudo seja classificado como fins de Ditongo, porque os talos originais foram formados como ditongos na história de idioma. Este tipo de irregularidades é habitual nos idiomas de hoje, como era já quatro milênios atrás.

Em zero Genitivo de grau há formas com - i - ou - ij - ou - u - ou - uw -, dependendo dos ditongos.

 

m. c.u-117

m. dj.u-63

NOM.

c.us

dj.us

ACC.

c.m

dj.m/dij.m

VOC.

cóu

djéu

GEN.

cóus

diwós

DAT.

cowéi

diwéi

LOC.

cowí

djéwi / diwí

INS.

.

djé.

ABL.

cóus

diwós

NOTA.  Estes são algum IE formula, formações normalmente secundárias. especialmente ache em grego. em - eus, - euos, como em Av. b.z.us, Braço, Gk. Basileus que também é recusado assim.

4.4.4. O plural na terceira declinação

1. A mesa seguinte descreve o sistema plural geral, comum à Quarta Declinação.

 

Anime

Inanimado

NOM.

-es

 

-.

ACC.

-ms

VOC.

-es

GEN.

-.m (-.m)

DAT.-ABL.

-os de bh (- mos) (i)

LOC.

-su / i

INS.

-bhis (- mal)

NOTA. As formas plurais inanimadas, - um e -., corresponda a uma vogal de talo mais velha de uma fase mais cedo do idioma, isto é * - h2 e * - eh2, seguindo a Teoria do Laryngeals.

2. Ao contrário no Singular no qual só algum Nominatives têm um - s, em Nom.-Voc. Plural o - s é geral e sempre há uma vogal de fixar-grau, e. Assim, o Singular-plural de oposição em - s / -esis de fato uma distinção de Ø/e. Esta oposição também tem às vezes outra marca, a vogal antes do fim (veja § 4.7).

3. O Nom.-Voc. Plural Anima normalmente está dentro - es; como em cówes, ówes, s..nes, etc.

Há formas dentro - ei-es para i origina de, como em owéjes; em - eu-es para talos de u, como em s.néwes; em ijes, - uwes para.; como em bhrúwes; etc.

4. O Plural Acusativo Anima está dentro - ms: ówims, s..nums, c.ms /cóums.

NOTA. Alguns estudantes reconstroem para IE III o fim plural acusativo - ns, porque a maioria dos proto-idiomas atestados mostram qualquer um - ns (como alguns fins em Sânscrito ou germânico) ou vogal longa, às vezes com - s. A maioria deles também admitem um original, mais velho - msform (um acusativo lógico singular - m - mais a marca plural - s), mas eles preferem reconstruir os atestaram - ns, sugestionando uma fase de intermediário assim (implicitamente) comum a todos os proto-idiomas, i.e.  IE II * - ms > IE III * - ns > proto-idiomas - [n] s. Nós não sabemos se tal uma fase de intermediário acontecesse, e se fizesse, se estivesse comum a todos os idiomas, ou se só fosse comum a esses idiomas que apresentam em algumas declinações - ns, e em outras declinações outros fins. O que nós sabemos com alguma certeza é que a forma - msexisted, e pelo menos como IE II, como o Anatolian dialetos espetáculo.

5. Nom.-Voc. Acc. Plural Inanimado em -., - a:pékw., mórja, médhw., sw.dwá, etc.

6. Plural de genitivo Anima dentro - om /-.m (e Gmc. -.m): ówjom, nóqtjom, s..nuw .m /s. .nuwom, ców.m, etc.

NOTA. O - m do Acc. sg. Anime, Nom.-Acc.-Voc. sg. Inanimado e este caso às vezes poderia ser confundido. É resolvido a ambigüidade de com o grau vocálico do Genitivo, cheio ou alongado, como o singular sempre é Ø.

 

f. owi-

m. s.nu-

f. bhr.-

m. cou-

NOM.

ówes

s..nes

bhrúwes

cówes

ACC.

ówims

s..nums

bhr.ms

cóums

VOC.

ówes

s..nes

bhrúwes

cówes

GEN.

ówjom

s..nuw .m

bhrúw.m

ców.m

DAT.

ówibhios

s..numos

bhr..bhos

cóubhios

LOC.

ówisi

s..nusu

bhr..se

cóusi

INS.

ówibhis

s..numis

bhr..bhis

cóubhis

ABL.

ówibhios

s..numos

bhr..bhos

cóubhios

7. O Obliques são geralmente divididos em dois grupos, em - bh - (o de Lat., Gk., EU.-EU., Braço., e Cel.) e em - m - (o de Gmc. e Bal.-Sla.). Há, assim, - bhis, - bhos, - bhios, - bhi, e - mal, - mos; como, s..nubhis, s..nubhos, s..nubhios, s..numis, s..numos.

Também há outro fim possível, que em - s-i, - s-u, s-e, geralmente Locativo (em mim.-EU. e Bal.-Sla.), mas também Dat possivelmente geral.-Loc.-Ins. (como em grego); como, s..nusi, s..nusu, s..nuse.

No Plural Oblíquo sistema especializado que é uma característica comum de dialetos proto-Balto-eslavos e proto-Indo-iranianos, (e, até certo ponto, de proto-grego e proto-armênio) o Instrumental foi formado adição provavelmente a marca plural - sto o Instrumental Singular da Segunda Declinação, - bhi, - mi. O Dat.-Abl. era então contrário em talo vocálico para o Instrumental: - bhosor - mos contra - bhis ou - mal. O Locativo era feito com um - s que marca o plural e um - iwhich é o Loc. marca.

NOTA. Sua origem provavelmente é a marca plural - s - para qual o caso local fim - i é somado. Este é um fim oblíquo geral na declinação temática.

4.5. Quarta declinação

4.5.1. O paradigma

1. O Talo de Substantivos dos Segundos fins de Declinação em Consoante ou Sonant, i.e. -n, - r, - s, Oclusivo (especialmente - t), e raramente - l, - m. A inflexão de anima está essencialmente igual a isso do Segundo ou Declinação Temática.

2. Substantivos da Quarta Declinação em MIE correspondem a substantivos latinos de Primeira Declinação dentro - r (cf. Lat. magister, magistr.), e Terceira Declinação em consoante (cf. Lat. pr.nceps, pr.ncipis, phoen.x, phoen.cis, c.n.men, c.n.minis, etc.), e para o grego Antigo declinação Labial e Velar (cf. Gk. ...., ......, ou ...., ......).

O fim Nominativo é - s (com Oclusivo, - m, - l), mas também há um Sg Nominativo. com pura vogal de talo (desinência - Ø e alongou vogal de fim), de forma que o Vocativo de cheio-grau é diferenciado. E não há nenhuma confusão em Nom./Gen., como - shas um grau vocálico diferente (Nom. -s, Gen. -es ou - os).

Paradigma de consoante-declinação

Oclusivo, - m, - l

-r, - n, - s

NOM.

-s

-Ø (vogal longa)

ACC.

-m [m.]

VOC.

-Ø

-Ø (grau cheio)

GEN.-ABL.

-e / os

DAT.

-ei

LOC.

-i

INS.

-bhi (- mi)

NOTA. Estes fins Oblíquos especializados eram provavelmente já dividindo em Recente TORTA, pelo menos em uma base de dialeto-para-dialeto. Compare Dat Indo-iraniano. -ei, Loc. -i; Dat itálico. -ei, Loc.-Inst.-Abl. -i; Inst grego. -bhi; em Inst Balto-eslavo. -mi, e assim por diante. Há nenhum padrão original exato que inclui todo dialeto, mas nós podemos insinuar uma declinação Oblíqua original confiantemente - i no qual tinha dividido - i (Loc.) e - ei (Dat.) já em Recente TORTA.

3. Inanimates têm puros talos de vogal com graus vocálicos diferentes. Em substantivos não deveria haver nenhuma confusão nada, como elas são palavras diferentes, mas adjetivos neutros poderiam ser equivocados dentro Nominativo ou Vocativo Anima. Distinção é obtida assim com vocalism, como em -.n Animado contra. Inanimado - em, -.s Animado contra. Inanimado - es (substantivos neutros em - s estão dentro - os).

4.5.2. Em Oclusivo, m, l

1. Sg nominativo.Anima dentro - s; como, d.ms, casa, p.ds37, pé, bh.ghs128, enterra, d.nts173, dente.

2. Acusativo Singular Anime dentro - m [m.]; como, d.mm, p.dm, bh.ghm, d.ntm.

3. Vocativo singular anime dentro - Ø; um pecado p.d, bhrgh, d.nt.

4. O Nom.-Acc.-Voc. Singular Inanimado em - Ø, com vário vocalisms; como em krd[153]

5. Genitivo Singular em - es / -os; como em péd (e) s / pedés, dént (e) s / dentés, dém (e) s / demés.

6. Dativo Singular em - ei: pedéi, dontéi, bhrghéi, etc.

7. Locativo Singular em - i: pedí / pédi, d.nti, bhrghí, etc.

 

m. ped-

m. d.nt-

n. krd-

NOM.

p.ds

d.nts

krd

ACC.

p.dm

d.ntm

krd

VOC.

p.d

d.nt

krd

GEN.

pedés

dentós

krdós

DAT.

pedéi

dentéi

krdéi

LOC.

pedí

dentí

krdí

INS.

pedbhí

dentmí

krdbhí

ABL.

pedós

dentós

krdós

 

4.5.3. Em r, n, s

1. Nominativo Singular Anime dentro - Ø com vogal alongada; como em m.t.r /m.t.r14, mãe, kw.n[154], cace, ghés.r, mão (cf. Hitt. ki..ar, Gk. kheirí), ór.n139, águia.

Talos em s, ndher-gen.s, degenerado, gén.s32, família, áus.s69, amanhecer, nébh.s31, nuvem.

2. Sg acusativo. Anime dentro - m; como em m.térm, kwónm, ndheregenésm, áusosm, ghesérm.

3. Vocativo Singular Anime dentro - Ø com vogal cheia; como em m.tér, kúon, áusos.

4. O Nom.-Acc.-Voc. Singular inanimado em - Ø; como em nómn, génos.

Os adjetivos em - s têm o neutro em - es: (um) sugenés (cf. Gk. eugenes, O.Ind. sugana.)

5. Genitivo Singular em - es / -os; como em m.trés /m.trós (também m.t.s, pat.s, bhr.trs, etc.), kunés / kunós, nomnés / nomnós, ornés.

Substantivos e adjetivos em - s têm um e, não um o, como a vogal de talo final: genesés, ausosés.

6. Dativo Singular em - ei, Locativo Singular em - i: m.térei, m.téri, kwónei, ausoséi, ghésri etc.

8. Instrumental Singular em - bhi (dialetal - mi): m.trbhí, kunbhí, ausosbhí, etc.

 

m. kwon

f. m.ter

n. genos

n. nomn

adj. m. ndhergenes

NOM.

kw.n

m.t.r

gén.s

nómn

ndhergen.s

ACC.

kwónm

m.térm

gén.s

nómn

ndhergenésm

VOC.

kwon

m.tér

gén.s

nómn

ndhergenés

GEN.

kunés

m.trós

genesós

nomnós

ndhergenéses

DAT.

kunéi

m.tréi

geneséi

nomnéi

ndhergen.sei

LOC.

kwóni / kuní

de m.t (é)

genesí

nomní

ndhergen.si

INS.

kunmí

m.trbhí

genesmí

nomnbhí

ndhergen.smi

ABL.

kunós

m.trós

genesós

nomnós

ndhergen.sos

4.5.4. O plural na quarta declinação

Com um paradigma comum à Terceira Declinação, aqui são alguns exemplos declinados.

 

m. kwon

f. m.ter

n. genos

m. d.nt-

n. nomn-

NOM.

kwónes

m.téres

génesa

d.ntes

n.mna

ACC.

kwónms

m.t.ms

génesa

d.ntms

n.mna

VOC.

kwónes

m.téres

génesa

d.ntes

n.mna

GEN.

kunóm

m.tr.m

genes.m

d.ntóm

n.mnóm

DAT.

kunmós

m.trbhiós

genesbhós

d.ntbhiós

n.mnbhiós

LOC.

kunsú

m.trsú

genessí

d.ntsí

n.mnsí

INS.

kunmí

m.trbhís

genesbhís

d.ntbhís

n.mnbhís

ABL.

kunmós

m.trbhiós

genesbhiós

d.ntbhiós

n.mnbhiós

 

4.6. Substantivos variáveis

4.6.1. Muitos substantivos variam em Declinação e eles são chamados Heteroclites.

Nota. i.e., "substantivos de inflexões (......, "outro", ....., flexionar") diferentes"

4.6.2. Formas de Heteroclitic estão isoladas e arcaicas, só cedida Inanimates, como restos de um sistema mais velho, bem atestou em Anatolian.

4.6.3. Eles consistem em uma forma para marcar o Nom.-Acc.-Voc e outro para o Obliques, como por exemplo.

um. Oposição Ø-n: d.rus, drunós54, árvore; .s, .sónos, boca.

b. Oposição r - (e) n:ágh.r, aghnós60, day;bh.m.r, bh.m (e) nés coxa, j.qr (t), ós de j.qn (t), fígado, wód.r, wodonós (cf. Adquirido. wato / watins), úd.r, ós de udn (t) (cf. Gk. úd.r, údatos), molhe, etc.

NOTA. Para bhed de raiz de TORTA (h), cf. Slav.bedro, Lat. fêmur, feminis / femoris; para TORTA j.q., cf. Gk. h.par, Lat. iecur, Av. y.kar., para jeq. cf. Ved. yák.t e compara seu Obl. Skr. yakn-ás, Gk. h.pat-os < * h.pn. (t).

4.6.4. TheHeteroclites seguem a forma do Genitivo Singular ao formar o Obliques. Isso é assim no alongamento antes de declinação, vocalism, e no acento também.

4.7. Vocalism antes da Declinação

4.7.1. A vogal de Predeclensional é que que precede o fim, até mesmo o fim de Ø; i.e., nós dizemos aquele Nom. pat.r57 (< mais velho * patér-s) tem uma vogal de predeclensional longa; que o patérhas de Vocativo um cheio e aquele pat.s tem isto Ø. Outros exemplos das três possibilidades são p.d, vagem e - pd -.

NOTA. As mudanças vocálicas em timbre e grau não são significantes por eles, eles são multifuncionais: eles podem ter só significado em uma declinação específica e necessariamente sempre não é o mesmo. Eles estão resolvendo a ambigüidade de elementos que ajudam distinguir homófono assim (i.e., palavras que soam semelhante).

4.7.2. Dois tipos de inflexão nominal não têm nenhuma vogal revezada: que em i, u, e que dos particípios de Reduplica.

4.7.3.  Talos em r e n têm duas possibilidades, ambos com um Nom. sg. em - Ø e alongou vogal.

1. Nom. com vogal alongada, Acc., Voc. com vogal cheia, e Gen. -Ø. O timbre pode ser e ou o, dependendo das palavras.

um. Em r, como em Nom. m.t.r (< mais velho * m.tér-s), Acc. m.térm, Voc. m.tér, Gen. m.trós.

b. Em n, em talos de raiz de TORTA, como em cachorro: Nom. kw.n/kuw.n (< mais velho * kwon-s), Acc. kwónm / kuwónm, Voc. kúon / kúwon, Gen. kunós.

2. Às vezes, o Genitivo tem um grau cheio como o Acusativo e o Vocativo. Este grau é redundante, não necessário para o disambigüidade do Genitivo do Nominativo. Há, como anteriores, diferentes timbres e e o, às vezes o em Nom.-Acc.-Voc., e e em Gen., às vezes o em Acc.-Voc.-Gen. e e em Obl.

4.7.4. Normalmente há o mesmo vocalism em substantivos que terminam dentro Oclusivo.

Uma exceção é feito nos adjetivos e particípios dentro - nt que apresenta vogal longa na vogal Nominativa, cheia em Acusativo e Vocativo e zero-gradein o Genitivo; cf. bher.nts/bheróntm/bherntósor bher.nts/bheréntm/bherntós.

NOTA. Há restos do que parece ser um vocalism revezado mais velho em monosyllabics. O variantes ped / vagem, neqt / noqt, etc. sugestione um original (i.e. IE II) paradigma Nom.p.d-s, Acc. p.d-m, Gen. ped-ós. Isto é, novamente, principalmente irrelevante para indo-europeu Moderno no qual ambas as formas revezadas podem se aparecer em vocabulário congelado, ou com o ou e.

4.7.5. Talos em s não apresentam um zero-grau. Anima, como já disse, oponha uma alongar-vogal Nominativo para os outros casos que têm vogal cheia, i.e., Nom. -.s, resto - es, Nom. -.s, resto - os.

4.7.6. Nós já sabemos o que acontece com talos em i, u que tem dois modelos gerais:

1. Nom. -i-s, Acc. -i-m, Voc. -ei ou - i, Gen. -i-os / Nom. -u-s, Acc. -u-m, Voc. -ei ou - i, Gen. -u-os

2. Nom. -i-s, Acc. -i-m, Voc. -eu ou - u, Gen. -ei-s / Nom. -u-s, Acc. -u-m, Voc. -eu ou - u, Gen. -eu-s

NOTA. Esta é uma inversão da situação normal: o Nom.-Acc.-Voc. tem zero-grau (mas para algum Voc.), o Gen. Ø ou totalidade. Distinção é obtida por formas revezadas; como em Voc., em qual o fim - ei distingue isto de Neuters dentro - i; ou com mudanças de e/o.

4.7.7. Esses em Ditongo Longo o substituto o ditongo (ou vogal longa) com jor w que representa o Ø-grau; como em dj.us63, dj.m, diwós; ou n.u-s127, naw-ós. Vocalism uniforme (i.e., nenhuma mudança vocálica) é generalizado, entretanto.

NOTA. Estes ditongos refletem uma possivelmente mais velha situação, de uma vantagem vocálica um laríngeo (como * - eh2) e eles provavelmente são relacionados a substantivos dentro um, e também para esses em ando de e.

4.7.8. Talos em. normalmente mantenha um vocalism uniforme: Nom.-Voc. -., Acc. -.m, Gen. -.s. Mas esses em i. /. pode alternar Nom.-Voc. -i. /-., Gen. -i.s.

Também há restos de -. em Voc. (e Nom plano.), como também - ai, cf. Gk. ..... (gunai, um exemplo também achou em armênio), Gk. ....... (Eur.pai) e outras formas em - ai no latim (como rosae < - * rosai), índio Velho e outros dialetos de IE. O -. e -. fins também têm rastros de alternar mudanças fonéticas.

NOTA. Em O.Gk. ...... (Eur.p.), ...... (Eur.p.), o Genitivo é conseqüentemente Eur.p-ai que também dá o adjetivo temático Eur.pai-ós adjetivo indo-europeu Moderno Eur.paiós, Eur.pai., Eur.paióm e substantivou formas (com troca de acento) Eur.páios/Eur.paios, - om, -.. Em latim isto - ai-o - corresponde - ae-u -, e assim Europae-nós, - um, - um. Também veja § 1.7.5.

4.7.9. Finalmente, os talos Neutros distinguem o Nom.-Acc.-Voc. formas tendo uma vogal de predeclensional, normalmente Ø (o fim também é Ø, mas para talos temáticos), como nós vimos em substantivos que terminam em i, u, r, n e Oclusivo; como mádhu, n.mn, krd. Há exceções, entretanto:

1. Substantivos com vogal alongada ou cheia; como, Gk. úd.r61 (de údros, cf. também O.Ind. áhar)

2. Substantivos em s não podem ter - Ø -, eles têm - o - em substantivos, - e - em adjetivos; como em gén.s, raça; adj. eugen.s, de raça boa.

3. Finalse / o têm uma vogal de predeclensional uniforme, normalmente o, mais Nom.-Acc.-Voc que termina - m.

NOTE 1. Nos casos Oblíquos, neuters são recusados como o anima.

NOTE 2. Não há nenhum neuters dentro - um, mas para esses que se tornaram substantivos plurais comuns, como por exemplo. n. Búbli., Bíblia, alumiado. "os livros", de Gk. búbliom, livro.

4.8. Vocalism no plural

4.8.1. Vocalism no Plural geralmente é igual a no Singular. Em Nominativo-vocativo e Acusativo, os casos diretos, o grau vocálico cheio é geral (há nenhum Nominativo com vogal alongada) e no Genitivo o zero-grau é geral. Mas também há algumas situações especiais:

1. Há exemplos de vogal cheia em Nom.-Voc.; talos em - ei-es e - eu-es (em i, talos de u); em - er-es, - ou-es; - en-es, - em-es; - es-es.

2. Às vezes, o timbre vocálico varia; como, ákm.n/ákmenes, (afiado) apedreje que dá Lith. akmuö / akmenes, O.C.S. kamy / kamene, e assim por diante.

3. Também há alguns zero-graus; cf Gk. óies.  Também algumas formas analógicas, como Gk. kúnes, Lat. carnes.

4.8.2. O Ø-grau, uma exceção no Nom.-Voc., é habitual em Plural Acusativo em i, talos de u; como em derivado com formas - i-ns, - u-ns.

Como regra geral, então, o Plural tem uma vogal cheia: ákmenes, m.téres, etc.

4.8.3. Os talos em s de Inanimates no Nom.-Acc.-Voc. Presente plural - es-um, - es -.: eles seguem o timbre vocálico na inflexão inteira, mas para o Nom.-Acc.-Voc. Singular em - os. O resto está dentro - Ø.

4.8.4.  O vocalism geral do Plural de Genitivo é Ø. Mas o grau cheio às vezes é achado, também; como em ákmenom. Os talos mais comuns nos quais o grau cheio pode ser achado são n e às vezes r; como em m.tr.m que também poderia ser m.tér.m.

Para resumir, Plural Nominativo é oposto normalmente para Nominativo Singular, enquanto Genitivo e Acusativo tendem a assimilar Singular e Plural. Quando os últimos são que a mesma, cheia vogal é achada no Acusativo e Ø no Genitivo.

4.8.5. No Obliques onde há uma distinção, a forma é isso do Nominativo Singular Anime ou Nom.-Acc.-Voc. Singular inanimado; e quando, em qualquer deles, há uma distinção entre totalidade - e Ø-grau, eles levam o último. Um exemplo de Anima é vagem que dá Nom. p.ds, Gen. pedós, Obl. Podbhís plural. Em Inanimates acontece com sstems que tem - os em Nom.-Acc. e - es nos outros casos; como em gén.s, genesí, genesbhós. E em Heteroclites que opõe um - n nos casos que não são Nom.-Acc.-Voc. com r, s ou Ø.

O zero-grau na sílaba de predeclensional é muito comum, se tem o vocalism de Genitivo ou o cheio; como, kw.n/kunsí. Este Ø-grau também é achado em talos de r, como em patrós, patrbhiós. E assim em i, u, também origina de, em Nom. e Acc. Sg., enquanto e é achado caso contrário (em Nom. Pl., e às vezes em Gen. Sg. e Pl.). O Plural de Obliques tem Ø; como, egníbhios, egnísi, egníbhis; ghóstibhis, etc.

4.9. Acentue em declinação

4.9.1. Há pouco iguais graus vocálicos, o acento é usado (normalmente redundantemente) para opor os casos Diretos (Nom.-Acc.-Voc.) para o Oblíquo.

NOTA. Isto é um do pior reconstruiu partes de proto-Indo-europeu, como cada idioma desenvolveu seu próprio sistema de acento. Só Sânscrito Védico, grego e dialetos Balto-eslavos parecem ter retido o sistema de acento mais velho mais ou menos e até mesmo estes sofreram sistematizações diferentes que ainda obscurecem mais a situação original em proto-Indo-europeu

4.9.2. Em monosyllabics, é observado o sistema revezado claramente:

Nom. p.ds, Acc. p.dm, Gen. pedés.

Nom. kw.n, Acc. kwónm, Gen. kunós.

4.9.3. Em polysyllabics, há por exemplo. dhúg (um) t.r131, trós de dhug (um), etc., mas também bhr.ter, bhr.trs (cf. Skr. bhartu., O.N. bróðor), ou m.t.s (cf. O.Ind. matúr), pat.s (cf. Adquirido. fadrs), e assim por diante.

1. Talos em i, u, teve um acento de raiz provavelmente em Nom.-Acc., e um Genitivo com acento em declinação, como no resto de exemplos.

2. Esses em. não é reconstruído claramente, então o sistema revezado é mantido.

3. O Vocativo poderia ser distinguido com o acento. A regra geral, observada em Skr., Gk. e O.Sla., é que é átono, mas para o começo de uma oração; neste caso, o acento entra na primeira sílaba, diferenciar isto do Nominativo com acento em declinação.

NOTA. O acento no Vocativo também é relacionado à entonação da oração.

4.9.4. No sistema Plural pode ser achado nenhum padrão de acento geral. Cada dialeto indo-europeu desenvolveu seu próprio sistema para distinguir os homófono dentro Singular e Plural. No Obliques, porém, o acento é isso do Genitivo, quando é oposto ao Nom.-Acc; como em patrbhiós, m.trbhís, etc.

NOTA. A assim-calledqetwóres-regra tinha sido observada por estudantes mais cedo, mas só chamou a atenção recentemente. É uma lei sã de acento de TORTA, enquanto declarando isso em uma palavra de três é-o-X de sílabas o acento será movido ao penúltimo, e-ó-X. Exemplos incluem qetwóres < qétwores, quatro, acusativos singulares de r-talos (cf. swesórm < swésorm, irmã), de r / n-heteroclitica (cf. ghesórm < ghésorm, mão), de s-talos (cf. IE * h2ausósm < * h2éusosm, amanhecer). Esta regra é alimentada por uma lei de som mais cedo simulada que muda * eto IE o depois de uma sílaba acentuada, i.e. qetwóres < qétwores < * qétweres. Rix (1988) invoca esta regra para explicar por que na TORTA Aperfeiçoe a raiz de o-grau é acentuada, por exemplo. Gegón - / gégn- < gégen - / gégn, criou, gerou.

4.10. Palavras de combinação

4.10.1.Nominal Compositum ou composição nominal é o processo de reunir duas ou mais palavras para formar outra palavra. A palavra nova, chamou uma Palavra Combinação, é um Substantivo ou um Adjetivo e necessariamente não tem o mesmo significado como suas partes.

4.10.2. O segundo termo de uma Palavra Combinação pode ser

um) um Substantivo (Gk. akró-polis, cidade alta", fortaleza")

b) um Adjetivo (Gk. theo-eíkelos, "semelhante aos deuses") ou

c) um Substantivo adaptou à inflexão adjetival (Gk. arguró-tozos, arco prateado")

NOTA. Às vezes um sufixo é somado (cf. Gk. en-neá-boios, "de nove vacas"), e o Substantivo Combinação pode ter um gênero diferente que o segundo termo (cf. Lat. triuium, estradas atravessadas", de tr.s e uia).

4.10.3. O primeiro termo é um Puro Talo, sem distinção de palavra classe, gênero ou número. Pode ser um Advérbio, um Numeral (Gk. trí-llistos, "suplicou três vezes", polú-llistos, "muito suplicado") ou um Pronome (cf. O.Ind. tatpuru.a "que tripula"), como também um talo Nominal-verbal com Nominal (Gk. andra-phónos "que mata um homem"), Adjetival (Gk. akró-polis), ou função Verbal (Gk. arkhé-kakos "que começa o mal"), e também um Adjetivo próprio (Gk. polú-tropos, "de muitos recursos").

4.10.4. Normalmente, o primeiro termo tem zero-grau, cf. O.Ind. .r-hán, Gk. polú-tropos, Lat. aui - (bonés), etc. Exceções comuns são talos dentro - e / os, como Gk. sakés-palos, "que treme a proteção" (Gk. sákos, "proteção"), e alguns sufixos nos quais são substituídos por um alongamento - i, cf. Gk. kudi-áneira "que glorifica os homens" (Gk. kudrós), Av. b.r.zi-.axra-, "de rodas altas" (Av. b.r.zant-).

Em talos Temáticos, porém, o temático - e/o sempre se aparece, como um Substantivo de oif ou Adjetivo (Gk. akró-polis), como um e se Verbo (Gk. arkhé-kakos).

4.10.5. O primeiro termo normalmente define o segundo, o contrário é raro; os tipos Combinação principais são:

Um. Formado por Verbos, cf. O.Ind. .r-hán, Gk. andra-phónos (Gk. andro - é mais novo) Lat. auceps, O.Sla. medv-.d., "mel-comedor", agüente, e também com o segundo termo em definindo o primeiro, como Gk. arkhé-kakos.

B. Determiners nominal (primeiro termo define o segundo), com primeiro termo Substantivo (cf. Gk. m.tro-pát.r, o "pai de mãe", gótico. þiudan-gardi, "reino"), Adective (cf. Gk. akró-polis, O.Sla. dobro-deus., "tempo bom", O.Ir. achar-airgit, "planta branca", Lat. angi-portus, passagem estreita"), ou Numeral (cf. Lat. tri-uium, de uia, Gk. ámaza, "armação de carruagem", de áz.n).

C. Determiners adjetival (tatpuru.a- para gramáticos índios), com primeiro termo Substantivo (cf. Gk. theo-eíkelos, gótico. gasti-deuses "bom para os convidados"), Advérbio (cf. O.Ind. ájñ.tas, Gk. ágnotos, "desconhecido", phroudos "que está a caminho de pró e odós).

D. Combinações possessivas (bahu-vrihi - "que tem muito arroz" para gramáticos índios), como em Eng. descalço", com (que vai) pés nus", com o primeiro termo Substantivo (cf. Gk. arguró-tozos, O.Sla. .r .no-vlad., "de cabelo preto"), Adjetivo (cf. Lat. magn-animosidade, "de grande espírito"), Advérbio (cf. O.Ind. durman.s, GK. dus-men.s, "mau").

O acento também poderia distinguir o Determiners dos Casos possessivos, como em O.Ind. r.ja-putrás, o "filho de "um rei, de O.Ind. rajá-putras "que tem um filho como rei, o "pai de rei.

 


5. Adjetivos

5.1. Inflexão de adjetivos

5.1.1. Em IE III, o substantivo poderia ser determinado de três modos diferentes: com outro substantivo, como em "parede de pedra"; com um substantivo em Genitivo, como na "casa de "o pai; ou com um adjetivo, como em "amor paterno." Estes também são todo possíveis em MIE, mas o adjetivo corresponde ao terceiro modo, i.e., para aquele tipo de palavras. possivelmente derivou de Genitivo mais velhos. isso é recusado fazer isto concordar no caso de, gênero e numera com o substantivo que eles definem.

5.1.2. O adjetivo é das fases mais velhas como um substantivo e iguala hoje idiomas indo-europeus têm a possibilidade para fazer um adjetivo um substantivo (como inglês) ou um substantivo um adjetivo (apedreje parede). Além disso, algumas palavras são como bem substantivos e adjetivos: w.s.n79, macho, homem, pode ser o assunto de um verbo (i.e., um substantivo), e pode determinar um substantivo.

A maioria dos talos é realmente indiferente ao oposição substantivo / adjetivo, e até mesmo a maioria dos sufixos. Também, a inflexão deles/delas é comum e diferenças normalmente são secundárias. Esta é a razão por que nós já estudamos as declinações de adjetivo; eles estão igual ao substantivo.

5.1.3. Porém, desde o idioma de IE mais velho havia substantivos diferente de adjetivos, como w.qos ou p.ds, e adjetivos diferente de substantivos, como rudhrós61, solwós, etc. Substantivos puderam, em troca, seja usado como adjetivos e adjetivos sejam substantivados.

NOTA. Já havia em IE II algumas tendências de especialização de adjetivo, com o uso de sufixos, vocalism, acento, e às vezes inflexão que mudou um substantivo a um adjetivo e vice-versa.

5.2. O movimento

5.2.1. Conforme o uso deles/delas, adjetivos distinguem gênero através de formas diferentes na mesma palavra e concordam com os substantivos que eles definem em gênero, número e caso. Este é o Movimento do Adjetivo.

5.2.2. Nós vimos em § 3.4. que há alguns casos raros de Movimento no substantivo. Às vezes a oposição é feito entre substantivos e isto parece ser a mais velha situação; como, pat.r-m.t.r, bhr.t.r-swés.r.

Mas um adjetivo distingue entre masculino, feminino e neutro, ou pelo menos entre anime e neutro (ou inanimado). Esta oposição é de dois tipos diferentes:

um. Anima é oposto a Inanimates por declinação, vocalism e acento; como, - os / -om, - is/-i, - nts/-nt, -.s /-es.

b. O masculino é oposto ao feminino, quando acontece, pela vogal de talo; como, - os /-., - nts / -ntia (ou - nt.), - nós / -u.

O sistema geral pode ser descrito assim:

 

Anima

Inanimates

 

Maskuline

Feminino

Neutro

1.

-os

-.

-om

2.

-é

-é

-i

3.

-nts

-nti./-nt.

-nt

4.

-.s

-.s

-es

5.

-nós

-u.

-u

NOTA. A oposição masculino-feminina é possivelmente nova a Recente TORTA, IE II .as os dialetos de Anatolian mostram. teve provavelmente só uma oposição Animar-inanimada. A existência deste tipo de adjetivos é muito importante para uma comunicação fácil como, por exemplo, os adjetivos em -. só é feminino (substantivos distintos que também podem ser masculinos). Um ostem seguido por um - s em Nom. Sg. é animado ou masculino, nunca feminino só, ainda há ainda permanece de substantivos femininos dentro - os.

5.2.3. Compare os exemplos seguintes:

1. Para os adjetivos temáticos denominados, em - ós, -., - óm, cf. kaikós, -., - óm, encubra (cf. Lat. caecus, Gk. ......, um vento de norte), akrós, -., - óm, azede, newós, -., - om, novo, rudhrós, -., - om, vermelho, koilós, -., - óm, vazio (cf. Gk. ......, talvez também Lat. caelus, caelum), elnghrós, -., - óm, luz (cf. Gk. .......), etc.

2. Para adjetivos em - ús, - u., - ú, cf. sw.dús, - u., - ú, doçura, mreghús, - u., - ú, sumário, lchús, - u., - ú, luz, tnús, - u., - ú, esticado, mldús, - u., - ú, macio, .kús, - u., - ú, rapidamente. Outros exemplos comuns incluem .sús, bem, bhanghús, denso, gherús, pequeno, ruim, ús de carro (.w), antagonista, dalkús, doçura, dansús, denso, dhanghús, rápido, laghús, luz, maldús, macio, pnghús, grosso, tegús, engorde, denso, tanghús, engorde, obeso, udhús, rápido, imediato, etc.

5.3. Especialização de adjetivo

5.3.1. A especialização de adjetivos de substantivos não é absoluta, mas uma pergunta de grau, como por exemplo.

1. Talos em - nt normalmente são adjetivos, mas eles também foram assimilados ao sistema de verbo e se tornaram (Presente) Particípios.

2. Palavras em - ter são substantivos e adjetivos normalmente são derivados dentro - triósand outros.

3. Substantivos em - ti têm adjetivos dentro - tikós que normalmente tem um significado étnico.

4. Às vezes distinção é feito com vogais revezadas: neuters em - om e adjetivos em -.s, - és.

O acento é usado para distinguir substantivos temáticos dentro normalmente - os com adj. em - ós (principalmente - tós, - nós).

NOTA. Às vezes há processos secundários que deslocam o acento de um adjetivo criar um substantivo; cf. Gk. leukós, "branco", léukos, "mancha branca." Este substantivo-adjetivo de correlações foi criado freqüentemente, mas para a frente de algum ponto a derivação de adjetivos estava feito com sufixos goste - ment (- uent), - jo, - para, - não, - iko, etc. Porém, há restos abundantes da velha identidade entre substantivo e adjetivo em IE III e então em indo-europeu Moderno. Um exemplo da troca de acento é isso de Eur.p-ai-o- que como um adjetivo é Eur.paiós, Eur.pai., Eur.paióm, enquanto como um substantivo o acento é trocado para a raiz.

5.4. Comparação de adjetivos

5.4.1. Em indo-europeu Moderno, como em inglês, há três graus de comparação: o Positivo, o Comparativo e o Superlativo.

NOTA. Não havia graus nos dialetos de Anatolian, e então provavelmente nem em TORTA Mediana. É então uma inovação de IE III, mais adiante desenvolvida por cada dialeto depois das grandes migrações de IE.

5.4.2. O Comparativo geralmente é formado somando - - que tem variantes - ijó - e - ison; como em sen-iós (Lat. sênior), mais velho, meg-iós, maior (cf. "principal"), etc.

5.4.3. O mesmo sufixo é a base para o Superlativo - istó - (de - ser-para -); como em mreghwistós, mais breve, newistós, mais novo, etc.

Outros sufixos de Superlativo dialetais incluem: O.Ind. e Gk. -tero -, Gk. -tm-para - (Gk. tato, cf. O.Sla., O.Ind. *pr.jótm.os) O.Ind. -tmo -, Ita. e Cel. -mo -, - smo -, - tmo -, e estendido - ser-smo -, - uper-mo -, Lat. summus < súp-mos; Skr. ádhamas, Lat. infimus < .dh-mos; lat. maximus < mág-s-mos; lat. intimus (cf. intus) < én- / n-t-mos, íntimo. Estes são todos os derivado do sufixo - mós, i.e., [mos] ou [m.os]. O sufixo também está presente em outros adjetivos, mas normalmente levou o grau Superlativo.

5.4.4. É interessante para mostrar que ambos os sufixos, - io - (também - tero -) e - ser-para -, teve um significado nominal original provavelmente. Assim, os alongamentos em - ioshad um significado; como em latim onde junióses e senióseswere usado para grupos de idade; ou esses em - teros, como m.térter., tia no lado da mãe, ekw.teros, mula.

NOTE 1. Provavelmente formas como junióses não são os mais comuns em IE, embora realmente atestou em dialetos diferentes; sufixos realmente adjetivais - iós, - são acrescentados istós à raiz (em e-grau) sem os sufixos iniciais, enquanto - teros e - são somados tmós com os sufixos. Compare por exemplo. O.Ir. sír, cp. sía < s.iós, 'longus, longior'; lán (cf de pl.nus. lín 'numerus'), cp. lia < pl.iós (ploios de Lat, Gk. pléos); cf. Lat. ploirume, zero-grau Lat. maios, O.Ir. mía. Assim, para júwenes nós achamos Umb. cp. jovie < * jowi.-s, O.Ir. óac 'iuuenis', óa 'iunior'; óam 'iuuenissimus', O.Ind. yu.va (n) - (y..nah.), cp. ya.v.yas-, jante. ya.vis.t.a-h.

NOTE 2. Em latim (e germânico), como já disse, o intervocal - s - é expressado e então é pronunciado como a consoante vibrada, o que é conhecido com o nome de rhotacism. Conseqüentemente Lat. andseniores de iuniores.

5.5. Numeral

5.5.1. Classificação de numeral

Podem ser classificados Numeral indo-europeus modernos como segue:

EU. Adjetivos numerais:

1. Números cardinais, respondendo a pergunta quanto? como, óinos, one;dwo, dois, etc.

2. Números ordinais, adjetivos derivaram (em a maioria dos casos) dos Cardeais e respondendo a pergunta que em ordem? como, pr..wos, primeiro; álteros, segundo, etc.

3. Numeral distributivos, respondendo a pergunta de cada vez quanto? como, sémni, um de cada vez; dwíni (também dwísnoi), de dois em dois, etc.

II. Advérbios numerais, respondendo a pergunta com que freqüência?como, smís, uma vez; dwis, duas vezes, etc.

5.5.2. Cardeais e Ordinals

 1. Estas duas séries são como segue, de um para dez: [155]

 

Cardeal

Eng.

Ordinal

Eng.

1.

óinos, óin., óinom

um

pr..wós

primeiro

2.

dwó, dw., dwói

dois

alterós (dwoterós)

segundo

3.

tréjes, tresrés / trisóres, tr.

três

triós, ós de trit (i)

terço

4.

qétwor (qetwóres, qetwesóres, qetw.r)

quatro

qturós, qetwrtós

quarto

5.

pénqe

cinco

pnqós, penqtós

quinto

6.

eks de s (weks) (w)

seis

(*suksós), sekstós

sexto

7.

séptm / sept.

sete

septmós

sétimo

8.

ókt. (u)

oito

okt.wós

oitavo

9.

 néwn

nove

nownós, neuntós

nono

10.

dékm / dek.

dez

dekmós, dekmtós

décimo

NOTA. O Ordinals são formados por meio do sufixo temático - o que causa a sílaba que vem antes do fim para ter zero grau. Esta é a forma mais velha que é combinado com um sufixo mais novo - para. Para sete e oito não há nenhum zero grau, devido provavelmente para as raízes velhas deles/delas.

2. As formas de onze para dezenove normalmente foram formadas através de combinações copulativas com a unidade mais - dekm, dez. [156] conseqüentemente usos indo-europeus Modernos o sistema seguinte:

 

 

Cardeal

Ordinal

11.

óindekm

ós de oindekm (t)

12.

dwódekm

ós de dwodekm (t)

13.

trídekm

ós de tridekm (t)

14.

qetw.dekm

ós de qeturdekm (t)

15.

penqédekm

ós de penqedekm (t)

16.

séksdekm

ós de seksdekm (t)

17.

sept.dekm

ós de septmdekm (t)

18.

okt.dekm

ós de okt.dekm (t)

19.

new.dekm

ós de newndekm (t)

3. O tens normalmente foram formados com as unidades com alongou vogal / sonant e um general - kmt./-komt (um)[157], "grupo de dez", embora algumas diferenças dialetais existiram. [158] 

 

Cardeal

Ordinal

20.

(d) w.k.t.

(d) ós de w.kmt (m)

30.

tr.kómt (.)

tr.komtós

40.

qetwr..kómt (.)

qetwr..komtós

50.

penq.kómt (.)

penq.komtós

60.

ekskómt de s (.) (w)

sekskomtós

70.

sept.kómt (.)

sept.komtós

80.

okt.kómt (.)

okt.komtós

90.

newnkómt (.)

newnkomtós

100.

(sm) kmtóm

ós de kmtom (t)

1000.

túsnt., (sm) ghéslo-

tusntitós

4. As centenas são feito como combinações de dois numeral, como o tens, mas sem vogal alongada. Os milhares são feito dos numeral mais o túsnt indeclinável.:

 

Cardeal

Ordinal

200.

dwok.t.

dwokmtós

300.

trik.t.

trikmtós

400.

qetwrk.t.

qetwrkmtós

500.

penqek.t.

penqekmtós

600.

seksk.t.

sekskmtós

700.

septmk.t.

septmkmtós

800.

okt.k.t.

okt.kmtós

900.

newnk.tom

newnkmtós

2000.

dwo / dwéi / dw. túsnt.

tusntitói de dwo, dwéi tusntit.s, dw. tusntitóm

3000.

tréjes / trisóres / tr. túsnt.

tusntitói de tréjes, trisóres tusntit.s, tr. tusntitóm

NOTE 1. Este MIE cardeais não flexionados são equivalentes à maioria das formas européias; como, para duzentos, Lat. quingenti, Gk. .........., e também Eng. quinhentos, Ger. fünfhundert, Russ. ......., Pol.pi..set, hipocrisia de pum galesa, Bert. pemp-kant. Formas flexionadas, como Da dialetal indo-europeu moderno. hundrede de fem, Fr. centavos de cinq, Isto. cinquecento, Estância termal. quinientos, Pt. quinhentos, Sr.-Cr. petsto (f. stotina favorito), etc. é esquerdo para o ordinals neste sistema indo-europeu Moderno.

NOTE 2. Em germânico as centenas são combinações feitas de um "cem" substantivo, MIE k.t (m) - radhom, Gmc. khund (um) - ratham, v.s., mas nós escolhemos isto. para nós mais direto. forma européia, achada em Itálico, Balto-eslavo e grego.

5. Os numeral combinação são feito com as unidades no segundo lugar, normalmente seguiu pelo copulativo - qe:

f. (d) w.k.t. óin. (- qe), vinte (e) um; m. qétwor de trikómta (- qe), trinta (e) quatro; etc.

NOTA. Formas alternativas com a unidade no primeiro lugar também são possíveis em indo-europeu Moderno, embora a maioria que idiomas europeus modernos pensam em combinações numéricas com as unidades ao fim. Na realidade, tal menos formação usada é possivelmente o mais arcaico, talvez a forma de TORTA original. Compare por exemplo. para "vinte e um" (m.):

MIE (d) w.k.t. óinos (- qe), como Eng. vinte e um, Swe. tjugoett, Nor.tjueen, Gelo. einn de og de tuttugu, Lat. unus de uiginti (como Romance moderno, cf. Fr. vingt-et-un, Isto ventuno, Estância termal. veintiuno, Pt. vinte um de e, Rom. dou.zeci unu de .i), Gk. ........, Ltv. viens de divdesmit, Russ. ........ ...., Pol. jeden de dwadzie.cia, etc.

Para óinos (d) w.k.t.qe, talvez a forma mais velha, comparam Gmc. (como Ger. einundzwanzig, Du. eenentwintig, Fris. ienentweintich, Da. enogtyve), e Lat. uiginti de et de unus, Skr. ékavi..ati, Bert. unan-advertir-ugent, etc.

6. Em combinações achamos nós:

sm -, um -; du - (ou dw - seguiu através de vogal), dwi -, dois -; tri -, três -; tur de q (e) -, quatro-

5.5.3. Declinação de cardeais e Ordinals

Dos Cardeais só óinos, dwo, tréjes (e dialetalmente qétwor), como também (sm) gheslós, é declinável.

um. A declinação de óinos, -., - om tem freqüentemente o significado de mesmo ou . O plural é usado neste senso; mas também, como um numeral simples, concordar com um substantivo plural de significado singular. O plural também acontece em frases como alterói-qe de óinoi, uma festa e o outro (o ones e os outros).

b. A declinação de sem - (e o-grau s.m-), um, é como segue:

     Sem de TORTA - / som-, um

NOM.

sems

s.ms

ACC.

sémm

s.mm

GEN.

smós

somós

D.-Um.

sméi

soméi

L.-EU.

smí, sémi

somí/s.mi

c. Dwo, dois e tréjes, três, é recusado assim:

 

dwo

trejes

 

m.

n.

f.

m.

f.

n.

NOM.

dwo

dwói

dw.

tréjes

tr.

ACC.

dwom

dwói

dw.m

ornamentos

tr.

GEN.

dwósio

dwés.s

tríjom

D.-Um.

dwósmei

dwési.i (> * - ei)

tríbhios

LOC.

dwósmi

dwési.i

trísu

INS.

dwósm.

dwési.

tríbhis

NOTE.ámbho, ambos, às vezes é recusado como dwo, como em latim.

d. Túsnt., mil, funções como um adjetivo indeclinável:

túsnt. módois, de mil modos. kom túsnt.w.r.is, com mil homens

e. O ordinals são adjetivos das Quarto e Terceiras Declinações e são recusados regularmente.

6.3.2. Cardeais e Ordinals têm os usos seguintes:

um. Em números debaixo de 100, se unidades precederem tens, o número geralmente é escrito como uma palavra; como em f. dw. (d) w.k.t.qe, vinte um; caso contrário está separado: (d) w.k.t. dw. (- qe).

b. Em números sobre 100 estava geralmente primeiro a denominação mais alta, o segundo que vem, etc., como em inglês; como, 1764, túsnt. septmk.t. qétwor de sekskómta (- qe) ou túsnt. septmk.t.qétworsekskómtqe.

NOTA. Observe as combinações seguintes de numeral com substantivos:

w.k.t. óinos (- qe) w.r.s ou w.k.t. w.r.sóinosqe, 21 homens.

dwotúsnti penqek.t. trídekm cén.s ,2513 mulheres.

c. O idioma proto-Indo-europeu não teve nenhuma palavra especial para milhões, bilhões, trilhões, etc., e estes números foram expressados através de multiplicação. Em indo-europeu Moderno eles são formados com IE empréstimo comum de s.ghésl Itálico. (cf. Ita. *(s) mígh.l. > O.Lat. m.h.l. > Lat. mille), um derivado de sm+ghéslos que significa "mil"; como, smghésli.n, milhões, dwighésli.n, bilhão, trighésli.n, trilhões, etc. Para o palavra milliard, mil milhão, também podem ser usados smghesliárdos.

d. São expressadas frações, como em inglês, por cardeais no numerador e ordinals no denominador. O gênero feminino é usado para concordar com pártis, separe, expressou (com adjetivo) ou entendeu (substantivado): dois-sétimo, dw. séptm.i (ou dw. pártes de séptm.i); três-oitavo, tréjes októw.i (ou tréjes pártes de oktow.i).

Metade é (dwi) medhj. pártis ou (dwi) médhjom.

NOTA. Quando o numerador for um, pode ser omitido e pártismust seja expressado então: um terço, trit.pártis; um quarto, qetwrt.pártis.

5.5.4. Distributives

1. Normalmente são formados Numeral distributivos com as formas de zero-grau e o sufixo - ni.

NOTA. Estes respondem ao qóteni interrogativo?, quanto de cada? ou quanto de cada vez?

1.

sémni, um por um

20.

(d) wik.t.ni

2.

ni de dwí, de dois em dois

21.

(d) sémni-qe de wik.t.ni, etc.

3.

ni de trí, três antes das três

30.

tr.k.tni

4.

qtúrni

40.

qetwrk.tni

5.

pnqéni

50.

penqek.tni

6.

ni de sék (mais velho * suksni)

60.

seksk.tni

7.

sept.ni

70.

septmk.tni

8.

okt.ni

80.

okt.k.tni

9.

néwnni

90.

newnk.tni

10.

dékmni

100.

kmt.ni

11.

dékmni de sémni

200.

dukmt.ni

12.

dékmni de dwíni

1.000

túsnt.ni

13.

dékmni de tríni

2.000

dwíni túsnt.ni

14.

dékmni de qtúrni, etc.

10.000

dékmni túsnt.ni

NOTE 1. A palavra para "um por um" também pode ser sémgoli, um, individual, separa, como Lat. singuli, de semgolós, , separe, formou com com sufixo sem-ir-eis -, embora aquele Lat. -g - geralmente é acreditado que é uma adição posterior, i.e.  próprio sémoli de MIE, de sem-o-lós.

NOTE 2. Trísni com sufixo, três cada, é achado em Lat. tr.ni, Skr. tr... i, dando trísnos derivado, trinca, como Lat. trinus, como também trísnit., trindade.

2. Distributives são principalmente cada usados no senso de tantos ou em cada lado, e também em multiplicações.

5.5.5. Advérbios numerais

Os Advérbios Numerais respondem a pergunta quanto cronometra? com que freqüência?, e normalmente é formado com i e às vezes um alongamento em - s.

1.

smís, uma vez

20.

(d) w.k.t.s

2.

dwis, duas vezes

21.

(d) w.k.t. s.is-qe, etc.

3.

tris, muito

30.

tr.kómti

4.

qéturs, qétrus

40.

qetwrkómti

5.

pénqei

50.

penqekómti

6.

sék i

60.

sekskómti

7.

séptmi

70.

septmkómti

8:

ókt.i

80.

okt.kómti

9.

néwni

90.

newnkómti

10.

dékmi

100.

kmtómi

11.

óindekmi

200.

dukmtómi

12.

dwódekmi

1.000

túsnt.s

13.

trídekmi

2.000

dwis túsnt.s

14.

qetúrdekmi, etc.

10.000

dékmi túsnt.s

 

5.5.6. Outros numeral

1. Os adjetivos seguintes são chamados Multiplicatives, formou em TORTA com sufixo comum - io, e também dialetalmente em combinação com pel de raiz de TORTA[159], como o grego e zero-grau latino com sufixo com - plos ou combinação de cheio-grau germânica com - póltos, dobra:

semiós, olós de sem (g), solteiro, oinikós, sem igual; dwoiós, dwiplós / duplós, dobro, dwopóltos, duplamente; treijós, triplo de triplós; trejespóltos, triplicado; qetworiós, qeturplós, quádruplo, qetworpóltos, quádruplo, etc.; mltiplós, mltipléks, múltiplo, monoghopóltos[160], múltiplo, etc.

NOTA. Para óinikos, qualquer, qualquer um, sem igual, compara Gmc. ainagas (cf. O.S.enig, O.N. einigr, O.E. ænig, O.Fris. enich, O.H.G. einag, Du. enig, Eng. qualquer, Ger. einig), Lat. unicus. Também compare O.Ir. óen em Sco. aon, de óinos, como un galês.


 

2. Outros numeral habituais (de latim) são feito como segue:

um. Temporals: dwimós, trimós, de dois ou idade de três anos; dwiátnis, triátnis, durando dois ou três anos (de átnos62); dwiménstris, triménstris, de dois ou três meses (de m.ns61); dwiátniom, um período de dois anos, como Lat. biênio, s.gheslátniom, millenium.

b. Partitives: dwisn.sios, trisn.sios, de dois ou três partes (cf. Eng. binário).

c. Outros possíveis derivado são: óini.n, unidade, união; dwísni.n, os dois (de dados); prwimanos, da primeira legião; prwim.siós, do primeiro grau; dwísnos (distributivo), dobro, dwisn.siós, do segundo grau, trit.siós, do terço tocou, etc.

NOTE 1. Cebola inglesa vem de O.Fr. oignon (antigamente também oingnon), de Lat. unionem (nom. unio), romano de rústico coloquial para um tipo de cebola; conexão de senso é as camadas sucessivas de uma cebola, em contraste com alho ou cravo-da-índias.

NOTE 2. A maioria destas formas são levados de latim, como influenciou todos os outros idiomas europeus durante séculos, especialmente em numeral. Estas formas nem não são o único, nem lhes preferem a outros neste sistema indo-europeu Moderno; eles são principalmente indicações. Reconstruir todo possível numeral utilizável em indo-europeu não é a pontaria desta Gramática.

 


6. Pronomes

6.1. Sobre os pronomes

6.1.1. Pronomes são usados como Substantivos ou como Adjetivos. Eles são divididos nas sete classes seguintes:

1. Pronomes pessoais: como, eg (.), eu.

2. Pronomes reflexivos: como, s (w) e, ele.

3. Pronomes possessivos: como, mos, meu.

4. Pronomes demonstrativos: como, assim, isto; i que.

5. Pronomes relativos: como, qis que.

6. Pronomes interrogativos: como, qis?, quem?

7. Pronomes indefinidos: como, áliqis, uns um.

6.1.2. Pronomes têm uma declinação especial.

6.2. Pronomes pessoais

6.2.1. Os pronomes Pessoais da primeira pessoa são eg (.), eu, (i), nós; da segunda pessoa, tu, tu oryou, ju, você. Os pronomes pessoais da terceira pessoa - ele, ela, isto, eles - está querendo em indo-europeu, um anaphoric (ou até mesmo um demonstrativo) que é ao invés usado.

NOTA. IE III não teve nenhum pronome pessoal para a terceira pessoa, como a maioria de seus dialetos cedo. Para aquele propósito, um demonstrativo era ao invés usado; como, de ki, id, cf. Ki de Anatolian, Gmc. khi -, Lat. cis -, id, Gk. ekeinos, Lith. sis, O.C.S. si, etc. É este sistema que o a pessoa usou em indo-europeu Moderno; embora nenhuma forma unitária era escolhida em Recente TORTA tempos, o padrão geral (pelo menos nos dialetos europeus ou Noroestes) é óbvio.

6.2.3. Os Pronomes Pessoais (Não-reflexivo) são recusados como segue:

PRIMEIRO A PESSOA

 

Eg singular -, eu-[161]

Plural nós -, ns-[162]

NOM.

eg, eg., eu

nós, wéi, nós

ACC.

eu, eu

n.s, nsmé, nós

GEN.

méne, méi, de mim

óm de ns (er), de nós

DAT.

méghi (o), mói

nsméi

LOC.-INS.

moí

nsmí

ABL.

med

nsméd

SEGUNDA PESSOA

 

Tu singular -, te-[163]

Ju plural -, ws-[164]

NOM.

tu, tu

ju, jus, você

ACC.

te, você

wos, usmé, você

GEN.

téwe, téi, de você

óm de jus (er), de você

DAT.

tébhi, tói

usméi

LOC.-INS.

toí

usmí

ABL.

twed

usméd

NOTA. Outros pronomes atestados incluem P. Nom. óm de eg (h) (cf. O.Ind. ahám, Av. az.m, Hom.Gk. ...., Ven. ehom); Dat. sg. méghei, tébhei, sébhei em Osco-Umbrian e eslavo; - fins de es em Nom. pl., nsmés, jusmés, atestado em Att.-Íon. Gk. e Gótico. Também, Osco-Umbrian e índio Velho espetáculo série variante (tônico ou acentuado) de Acc. Sg. em - m, como m.m (e), tw.m, tewe, usóm, s (w) .m. A forma de Dativo de Pessoa é achada freqüentemente reconstruída como mébhi / mébhei, como no P. Sg. forma.

Para os Pronomes Pessoais da terceira pessoa singular e plural, o iis demonstrativo usaram. Veja § 6.5 para mais detalhes em seu uso e inflexão.

um. O wé plural (i) é freqüentemente usado para o eg singular (.); o ju plural também podem ser usados assim para o tu singular. Ambas as situações normalmente acontecem em contextos formais.

b. O nsóm de formas, jusóm, etc., pode ser usado partitively:

nsóm de óinosqisqe, cada um de nós.

ópniom de jusóm, de tudo de você.

c. O méi de genitivo, téi, nsóm, jusóm, são objetivamente principalmente usados:

es nsóm de mn.m.n, esteja atento de nós.

6.3. Pronomes reflexivos

6.3.1. Pronomes reflexivos são usados no acusativo e os casos oblíquos recorrer ao assunto da oração ou cláusula nas quais eles estão de pé; como, s (w) elubh.ieti, ele/ela amores ele / ela; séwe bh.mi, eu falo sobre (de) mim, e assim por diante.

um. Nas primeiro e segundas pessoas, foram usados também geralmente os casos oblíquos dos pronomes pessoais como Reflexives: como, eu wid.i. (para se wid.i.), eu me vejo; nos persw.d.iomos (para swe persw.d.iomos), nós nos persuadimos, etc.

b. O pronome Reflexivo da terceira pessoa tem uma forma especial só usada neste senso, o mesmo para singular e plural. É recusado assim:

swe [165]

ACC.

s (w) e, eu, você, ele / ela / isto, nós mesmos, vocês, eles.

GEN.

séwe, de mim, você, ele / ela / isto, nós mesmos, vocês, eles.

DAT.

sébhi, ói de s (w), para mim, você, ele / ela / isto, nós mesmos, etc.

LOC.-INS.

oí de s (w), em / comigo, você, ele / ela / isto, nós mesmos, etc.

ABL.

swed, por / de / etc. eu, você, ele / ela / isto, nós mesmos, etc.

 

6.4. Pronomes possessivos

6.4.1. Os pronomes Possessivos principais em indo-europeu Moderno são:

PESSOA

mos, meu

nsós, nosso

PESSOA

dois, thy, seu

usós, seu

REFLEXIVO

swos, meu, seu, seu, nosso, seu, o deles/delas

swos, o deles/delas

Estes realmente são adjetivos do primeiro tipo (- ós, -., - óm) e são recusados assim.

NOTE 1. IEswos só é usado como um reflexivo, enquanto recorrendo ao assunto. Para um pronome possessivo da terceira pessoa em não recorrendo ao assunto, deve ser usada o genitivo de um demonstrativo. Assim, (i) chénti de swompatérm, (ele) mata o dele [próprio] o pai; mas (i) chénti de éso de patérm, (ele) mata o dele [alguém (m.) outro] o pai.

NOTE 2. Outras formas proto-Indo-européias comuns eram méwijos / ménjos, téwijos, séwijos. Às vezes são reconstruídas formas para as primeiro e segundas pessoas como emós, tewós.

Um.     Há formas singulares Oblíquas mais velhas que foram assimiladas à inflexão temática por alguns dialetos indo-europeus, como mói, tói, sói e seus derivado com - s, - os, - w -, etc

B.     Formas com sufixos adjetivais - teros, - eros, não era geral em Recente TORTA, embora as formas estão comum a muitos idiomas europeus; como, nserós / nsterós, userós / usterós, etc.

6.4.3. Outras formas são a seguinte:

um. Um qosós possessivo, -., - óm cujo, é formado do genitivo singular do pronome relativo (qi / qo) ou interrogativo. Pode ser em vigor interrogativo ou relativo de acordo com sua derivação, mas normalmente é o anterior.

b. O reciprocals um ao outro e cada othermay seja expressado com meitós de TORTA (cf. Gótico. perca., O.Ind. mithá -, Lat. m.tuus, Gk. ......, Bal-Sla. meitu -, etc.) ou outras expressões comuns, como Lat. énter s (w) eor álteros... álterom Gmc. óinos... álterom (cf. Eng. um ao outro, Ger. einander), etc.

álteros déukonti de álter.áutoms[166] (ou álter de óinos. déukonti de áutoms), eles dirigem os carros de um ao outro (um... do outro);

se de énter lubh.ionti (ou lubh.ionti álteros álterom), eles amam um ao outro (eles amam entre eles); e assim por diante.  


6.5. Pronomes de Anaphoric

6.5.1. Anáfora é um exemplo de uma expressão que recorre a outro, a parte fraca do dêixis. Em geral, um anaphoric é representado por um a favor de-forma ou algum tipo de deictic. Eles normalmente não têm uso adjetival e só são usado como meros substitutos abreviando do substantivo.

NOTA. O anaphorics velho normalmente são substituídos em dialetos indo-europeus modernos através de demonstratives.

Eles são normalmente integrados no sistema de pronome com gênero; só ocasionalmente alguns deste anaphorics foram integrados nos Pronomes Pessoais sistema em idiomas indo-europeus.

6.5.2. Indo-europeu moderno tem um pronome de anaphoric geral baseado em raiz de TORTA i. Também pode ser acrescentado a formas de e velhas, conseqüentemente éi.

NOTA. Esta raiz i também é a base para IE comum jo relativo.

6.5.3. O outro demonstrativo, assim / para, funções como anaphoric também, mas tende a se aparecer conduzindo a oração, enquanto provavelmente sendo sua origem o parente. Eles também são usados para o segundo termo em comparações.

NOTA. Idiomas de IE modernos às vezes misturaram ambas as formas para criar um único sistema, enquanto outros mantêm a velha diferenciação.

6.6. Pronomes demonstrativos

6.6.1. Os Pronomes Demonstrativos assim, isto e i que, é usado mostrar ou designar uma pessoa ou coisa para atenção especial, ou com substantivos, como Adjetivos, ou só, como Pronomes, e é recusado assim:

assim / para[167], isto

 

Singular

Plural

m.

n.

f.

m.

n.

f.

NOM.

assim

tod

s.

tói

t.

t.i /s.i

ACC.

tom

tod

t.m

toms

t.

t.ms

GEN.

tósio

tés.s

tésom

tésom

DAT.

tósm.i

tési.i [> * - ei]

os de tóibh (- mos) (i)

os de t.bh (- mos) (i)

LOC.

tósmi

tési.i

tóisu

t.su

INS.

toi

tóibhis (- mal)

t.bhis (- mal)

ABL.

tósm.d

tóios

 NOTA. São observadas variantes diferentes nos dialetos atestados: 1) Nom. assim também é achado como sos no índio Velho, grego e Estilo gótico, e como se em latim (cf. Lat. ipse). 2) Nom. s.is achou como s. em Estilo gótico e Céltico, também como sj. em germânico. 3) Nom. Pl. t.i é geral, enquanto s.i é restringido a alguns dialetos, como grego Sótão-iônico. Porém, lingüistas gostam Beekes ou Adrados reconstroem a forma Nominativa em s - como a forma proto-Indo-européia original. 4) formas oblíquas em - bh-/-m - às vezes é reconstruído como - m - só (Beekes).

i[168], isso

Singular

Plural

m.

n.

f.

m.

n.

f.

NOM.

i

id

i

éi

.

.es

ACC.

im

id

.m

ims

.

.ms

GEN.

éso, éjos

és.s

ésom

esom

DAT.

ésmoi

ési.i [> * - ei]

os de éibh (- mos) (i)

LOC.

ésmi

ési.i

éisu, - si

INS.

éibhis (- mal)

ABL.

ésm.d

éios

Partículas de Deictic que freqüentemente se aparecem com pronomes demonstrativos incluem ko, ki[169], here;en, e / ono[170], ; e / owo, fora, novamente.

6.7. Pronomes interrogativos e indefinidos

6.7.1. Introdução

1. Há duas formas do Pronome Interrogativo-indefinido em indo-europeu Moderno e cada um corresponde a uma classe diferente em nosso sistema, qi para o Substantivo, e qo para os pronomes de Adjetivo.

SUBSTANTIVO

ADJETIVO

bhéreti de qis? quem leva?

qos bhéreti de w.ros? que homem leva?

qim wid.iesi? o que / quem vê você?

áutom de qom wid.iesi? qual carro vê você?

NOTE 1. Na origem, qi / qo era possivelmente um substantivo que significou "o desconhecido" e seu senso interrogativo / indefinido dependeu das orações individuais. Depois ambos se tornaram pronomes com gênero, enquanto funcionando assim como interrogatives (dado ênfase a) ou como indefinites (átono).

NOTE 2. O qi de forma provavelmente é a forma independente original (compare o grau de ofqo de especialização, mais adiante se alongado em dialetos de IE) para a qual qocould foram originalmente a forma de o-grau (veja Beekes, Adrados). conseqüentemente nossa escolha de dividir claramente um Substantivo-qifrom um Adjetivo-qo neste sistema indo-europeu Moderno. Alguns dialetos indo-europeus só escolheram o o-talo, como germânico, enquanto alguns outros os misturaram junto em um único paradigma, como Indo-iraniano, Balto-eslavo ou Itálico. Compare Gmc. khwo - (cf. Gótico. hwas, O.N. hverr, O.S. hwe, O.E. hw., Dan. hvo, O.Fris. hwa, O.H.G. hwër), Lat. qui, quae, quod; quis, libra, Osc. pisi, Umb. púí, svepis, Gk. tis, Sktr. ka., Av. ko, O.Pers. .iy, Pers. ki, Phryg. kos, Toch. kus/k.se, Braço. ov, em.', Lith. kas, Ltv. kas, O.C.S. kuto, Rus. kto, Pol. kto, O.Ir. ce, cid, pwy galês, Alva. kush, Kam. kâ.a; em Anatolian, compare Hitt. kui., Luw. kui -, Lyd. qi -, Lyc. tike e kuo de Carian.

2. O qi de Pronome Interrogativo Substantivo -?quem?, o que?, é recusado dentro o Singular como segue:

 

Singular

Plural

 

m.

f.

n.

m.

f.

n.

NOM.

qis

  

     qid

qéi (es)

 

q.

ACC.

qim

qims

GEN.

qés (i) o, qéios

qéisom

DAT.

qésmei,

os de qéibh (- mos) (i)

LOC.

qésmi

qéisu, - si

INS.

q (esm) í

qéibhis (- mal)

ABL.

qósm.d

os de qéibh (- mos) (i)

3. O Adjetivo Pronome Interrogativo, qo -?, quem (deles)? que tipo de? o que? o qual? é recusado ao longo de como o Parente:

 

Singular

Plural

 

m.

f.

n.

m.

f.

n.

NOM.

qos

q.

 

qod

qoi

q.s

 

q.

ACC.

qom

q.m

qoms

q.ms

GEN.

qóso, qósio

qósom

DAT.

qósm.i

os de qóibh (- mos) (i)

LOC.

qósmi

qóisu, - si

INS.

q (osm) í

qóibhis (- mal)

ABL.

qósm.d

os de qóibh (- mos) (i)

 Qóteros?, quem de dois? é derivado do qo de talo com o sufixo - tero.

4. Os Pronomes Indefinidos qi / qo, qualquer um, qualquer, é recusado como o Interrogatives correspondente.

SUBSTANTIVO

qis, qualquer um; qid, qualquer coisa

ADJETIVO

qos, q., qod, qualquer

5. A forma Adverbial do pronome Indefinido-interrogativo é qu.

6.7.2. Combinações

1. O qi de pronomes e qo se aparecem em várias combinações.

um. As formas podem ser repetidas, como em qisqis substantivo, qidqid ou qosqos de adjetivo, q.q., qodqod; com um significar habitual tudo que, quem, qualquer que, etc.

b. Em algumas formas a conjunção copulativa - qe é somado formar pronomes novos (ambos como substantivos e como adjetivos), normalmente universals; como, qisqe, todo um: qoterqe, cada um de dois, ou ambos.Qisqe é recusado como o qi interrogativo: substantivo, qisqe, qidqe, adjetivo, qosqe, q.qe, qodqe

c. Outras formas são esses com prefixos. julgou mais moderno., como aliqis (substantivo), uns um, aliqod (adjetivo), alguns.

d. Formas com o oino de numeral -, sem -, um, também é freqüentemente pronomes; como em óinos, óin., óinom e s.ms (gen. semós), alguns, alguém, alguém.

óinosqisqe, cada um

c. Os negativos estão normalmente compostos com partículas de negação, como ne ou m modal. Como em néqis, néqos, m.qis, óin de n (os) (.) (cf. Eng. nenhum, Ger. nein, talvez Lat. n.n), los de nóin (o) (Lat. nullus).

No óinosqísqe combinação, cada um, todo solteiro um, que são recusadas (óinosoqéisoqe de genitivo) ambas as partes e eles podem ser separados através de outras palavras:

óin de en de ne. qósqe de qísqis, nem mesmo em um solteiro um.

h. O parente e interrogativo tenha um qósos de adjetivo possessivo (-., - om) cujo.

i. Outras formas latinas são q.mtos, como grande, e q.lis, de que tipo, ambos os adjetivos derivados do interrogativo. Eles são interrogativos ou relativos, enquanto correspondendo respectivamente ao demonstratives t.mtos, t.lis, de para. Combinações indefinidas são q.mtoskomqe e q.liskomqe.

j. Também é achado como em combinação com jo relativo, como em qis de jos, qid de jod, qualquer um, qualquer coisa.

h. Um mo interrogativo - também é atestado em Anatolian e Tocharian.

6.7.3. Correlatives

1. Muitos Pronomes, Adjetivos Pronominais e Advérbios têm formas demonstrativas, relativas, interrogativas e indefinidas correspondentes em a maioria dos idiomas indo-europeus. São chamadas tais formas paralelas Correlatives. Alguns desse utilizável em indo-europeu Moderno é mostrado na mesa seguinte:

Demonstrativo

Relativo

Interrogativo

Parente indefinido

Indefinido

i

qis

qis?

qísqis

aliqís

isso

quem? o que?

quem? o que?

quem, tudo que

uns um, algo

t.mtos

q.mtos

q.mtos?

q.mtoskomqe

aliq.mtos

tão grande

como (como) grande

como grande?

porém grande

alguns / outro

T.lis / swo

q.lis

q.lis?

q.liskomqe

-

tal, assim, deste modo

como

de que tipo?

de qualquer amável

-

tom / tóeno

qom / qíeno

Q.md. / qíeno?

Q.md.komqe / éneno

aliq.md.

então ('isto lá')

quando

quando?

sempre que

a alguns / outro tempo

tótr. (d)

qítro

qítro?

qítrqíter

aliqíter

para lá

onde

onde?

whithersoever

(para) em algum lugar

.

q.

q.?

q.q.

aliq.

aquele modo

qual modo

qual modo?

whithersoever

(para) em qualquer lugar

tóendes

qíendes

qíendes?

qíendekomqe

aliqíende

por isso

de onde

de onde?

whencesoever

de em algum lugar

qídheii / tóko

qódhei / qísko

qódhei / qísko?

qódheiqisqe

aliqídhei / aliqódhei

lá ('isto aqui')

onde

onde?

onde quer que

outro lugar / em algum lugar

nenê

qot

qot?

qótqot

aliqót

tantos

como

quanto?

porém muitos

outro, alguns, vários

tótients

qótients

qótients?

qótientskomqe

aliqótients

tão freqüentemente

como

com que freqüência?

porém freqüentemente

a várias vezes

assim

qos

qos

qósqos

aliqós

isto

quem? o qual?

quem? o qual?

quem, qualquer que

alguns (deles)

i ib latino (c)., (c) ub. freqüentemente é reconstruído como uma TORTA concebível * qibhi, * qobhi, mas não é difícil de achar uma origem comum em qi-dhei de TORTA, qo-dhei porque formas semelhantes atestaram em dialetos de IE diferentes; cf. Lat. ub., Osc. puf, O.Ind. kuha, O.Sla.kude, etc.

NOTA. Também há outras séries não apresentaram aqui, como 'tudo' (cf. Lat. omnes, passim, etc.), 'cada um' (cf. Lat. quisque, etc.), 'ninguém' (cf. Lat. nullus, etc.), identidade do 'certo' tipo (cf. Lat. quidam, etc.), junto com o 'existência' tipo (cf. Lat. aliquis, quispiam, etc.), e nós poderíamos ter separado entre 'qualquer um' (cf. Lat. quilibet, quivis, Ger. jeder), e 'quem' (cf. Lat. quicumque, Ger. immer de auch de wer), etc. De Hittite, latim e Sânscrito a maioria da esquerda de correspondances deveria ser obtido sem muitos problemas.


 

6.8. Pronomes relativos

6.8.1. Há dois talos pronominais gerais usado como pronomes relativos, a pessoa relacionou ao anaphorics e um para o interrogativo-indefinites.

6.8.2. Jo de Pronome relativo, o o-talo derivado de i. É declinado goste assim / para e qo.

 

Singular

Plural

 

m.

n.

f.

m.

n.

f.

NOM.

jos

jod

j.

jói

j.

s.i

ACC.

jom

jod

j.m

joms

j.

j.ms

GEN.

jósio

jés.s

jésom

esom

DAT.

jósm.i

jési.i [> * - ei]

os de jéibh (- mos) (i)

LOC.

jósmi

jési.i

jéisu, - si

INS.

jeí

jéibhis (- mal)

ABL.

jésm.d

jéios

6.8.3. qo / qi que, o qual, tem sua origem nos pronomes interrogativos e é recusado semelhante.

NOTA. Jo de pronome relativo -, talvez de um mais velho * h1jo -, é achado em Gk. hós, Skr. -, Av. ya -, Phryg. ios, Cel. io. Itálico e dialetos germânicos usam qo - como relativo, em combinação com - qe em germânico. Em Balto-eslavo, estes pronomes são com sufixo em alguns adjetivos criar indefinites. Também é achado como indefinido em combinação com qi / qo, como em qis de jós, qid de jód, qualquer um, qualquer coisa, como Gk. hóstishótti, Skr. cit de yás, cit de yác.

6.9. Pronomes de identidade

6.9.1. Com pronome de Identidade nós estamos recorrendo ao ego de inglês que é formado diferentemente em a maioria dos dialetos indo-europeus. As possibilidades diferentes são:

1. Esses que vêm de um Pronome que só é válido para a terceira pessoa formados basicamente pelo pronome de anaphoric alongado com outra partícula:

um. Autós grego, como Gk. ....., de áu de advérbio, recentemente, e o anaphoric para.

b. Ídem de identidade latino formado por id e terminando - em.

2. Esses formaram de um Substantivo, com o senso iguale, mesmo, capaz modificar pronomes demonstrativos ou pessoais e tendo um uso pronominal autônomo até mesmo, com uma declinação de pronome:

A forma indo-européia comum é derivada de somós de adjetivo, mesmo, semelhante.

NOTA. Somós de adjetivo comum, mesmos e diferentes derivado de sem de raiz de TORTA, dão Gmc. samaz (cf. O.S., O.H.G., Gótico. sama, O.N. s.mr, O.E. mesmo, O.H.G. samant, Ger. samt, Du. zamelen), Lat.similis, Gk (smilís de IE). ...., ...., ......, Skr. sama., Av. hama, O.C.S., O.Russ. ...., Pol. sam, s.m., O.Ir. som, s.im (de IE s.mi).

6.10. Pronomes de Oppositive

6.10.1. Há duas formas para expressar a oposição de dois deictic ou pronomes de anaphoric.

6.10.2. O primeiro tipo de oposição é feito com a mesma palavra, enquanto significando o que é diferente. Isto está igual ao inglês qualquer um... eithersentences.

6.10.3. Indo-europeu moderno também tem condições isto oppositives, além das orações de correlação:

um. Derivado do sufixo de oppositive - tero:

s.teros, diferente de qual Gmc. suntar, Ger. sonder, Gk .... (cf. Gk. ......, "outro, diferente, desigual"), Lat. seno, "sem", O.Ind. sanutar, O.Sla. svene, O.Ir. sain 'uari.'

qóteros, ou (de dois), e qúteros (como Lat. uter), formou com qu de advérbio (de qi / qo interrogativo-indefinido). O posterior também se aparece em comum empréstimo indo-europeu de Lat. neutro, neqúteros de MIE, um nem o outro."

NOTA. A forma interrogativa mais velha provavelmente é qóteros?, quem de dois?, atestado em dialetos de IE diferentes.

álteros, o outro, já visto.

NOTA. Outra forma é isso do en de deictic - / eno- e - teros, como em enteros, também anteros (influenciado por alteros), achado em dialetos germânicos e Balto-eslavos.

b. O al de Talo -, ali - é muito comum em indo-europeu Moderno, o - ibeing um alongamento característico dos pronomes e não um adjetival. Algumas formas habituais são álios, álidhei (normalmente reconstruído como * álibhi), áliqis, etc.